27.10.10

Entrevista - Gepeto(Ação Direta)





É o seguinte galhere, no último sábado(23/10) rolou o 2º dia do 3º Go Mosh no Martim Cererê e entre uma chuva cabulosa que rolou na city que deixou muitos temerosos acerca da noite de apresentações e risadas intermináveis com beborríveis da cena hardcore goiana, o Blog Licor de Chorume(BLC) entrevistou nada mais, nada menos que Gepeto, vocalista da lenda do hardcore nacional Ação Direta. Pela terceira vez na cidade do Eixão e do Lázaro Santos, a prosa com o cara foi das boas, que entre outras coisas falou dos 23 anos da banda e até da influência dos Racionais MC's dentro do conjunto. Sem mais delongas, conferem aí o lero com o rapaz e tenha a certeza que a fronteira entre a bênção e o caos não é tão longa assim...


BLC - Então, a gente tá aqui com o Gepetto, vocalista do Ação Direta(AD). E aí, Gepeto, beleza?
Gepeto - Tudo tranquilo, feliz de estar de volta a Goiânia aí...

BLC - É o terceiro show do Ação em Goiânia...
Gepeto - Isso, nossa terceira vez. A primeira foi aqui no Martim, em 95 se não me engano, viemos de busão, rodoviária, 16 horas fritando dentro do ônibus "bate e volta"

BLC - Kangaroos In Tilt...
Gepeto - Foi histórico... depois retornamos no Goiânia Noise(GNF)...

BLC - Que foi do caralho, foi considerado um dos melhores show do Noise...
Gepeto - É, tivemos uma resposta muito positivada galera de Goiânia, e hoje estamos na primeira vez do Go Mosh, com set list especial, 23 anos de Ação, bora fazer um grande show em Goiânia.

BLC - A expectativa então é a melhor?
Gepeto - Estamos prontos, estamos bem ensaiados, preparando um show especial pra galera. Da outra vez, no GNF nós tivemos só meia hora de palco, hoje a gente vai ter um pouquinho mais, a gente preparou um catado aí dos 23 anos, quem gosta de Ação Direta vai sair satisfeito daqui hoje.

BLC - O Ação é muito respeitado em Goiânia. Quando anunciaram o show, as comunidades ferveram aqui. Mudando de assunto, e o disco novo?
Gepeto - Disco novo tá em andamento, nós estamos compondo, estamos trabalhando, fazendo com calma, bastante inspiração, é um disco que estamos fazendo com muita calma, porque é o disco que leva os 25 anos, e hoje aqui em Goiânia nós vamos tocar uma música nova, em primeira mão, pra galera ter uma noção do que tá vindo por aí.

BLC - Porra, legal demais. Eu sou fanático por Ação Direta, o pessoal do Licor de Chorume também e a gente percebe que os discos do AD são discos que marcam a carreira da banda, pois são discos muito particulares, porque cada um apresenta uma temática diferente, uma sonoridade diferente, um momento diferente, e o que a gente vê é uma evolução constante no AD. O que a gente pode esperar do próximo CD?
Gepeto - O que você falou é verdade, cara, a gente nunca repete fórmulas, procura sempre fazer algo novo. O dia que repetir, acabou a banda. E é por isso que estamos tendo essa preucupação com o disco novo, com composições novas. Tem a volta do Pancho, cinco anos fora da banda, hoje voltou com a guitarra, tem feito show com a gente desde 2007, agora tá compondo e é muito importante na composição, ele assina discos como Entre a bênção e o caos, Revolta, Repúdio(Confronto, Resistência). Podem esperar um disco bem louco do AD, uma cara renovada, com mesmo estilo, mesma pegada, a mesam força, estamos fazendo a parte de letras inspiradas em documentários, a gente quer trazer informações pra galera, sobre vários assuntos. E tá ficando muito bom, é o AD com uma cara nova, contemporânea, é hardcore, é thrash, é punk.

BLC - O Massacre Humano é uma desgraceira só, a gente pensa que as bandas vão evoluindo, ficam mais lights, com o ADaconteceu o contrário, o Massacre é o disco mais desgraceira em termos de peso, sonoridade grind, a primeira música é demoníaca... então, tá nessa linha, tem reviravolta...
Gepeto - Tá diferente dos outros, tem um pouco de Massacre, de Revolta, não tá tão grind, tá numa linha diferente, mais peso, mais acorde, tá rápido, mas não tão grind, pelo menos não enquanto a gente tá trabalhando, mas é esperar pra ver.

BLC - Cara, a gente que acompanha a carreira de vocês há muitos anos tem a impressão de que firmou o pé quando gravou Entre a bênção e o caos, pra mim um disco basilar da música hardcore brasileira, é um disco que ao lado de clássicos do Cólera, do Olho Seco, Agrotóxico, Ratos de Porão...queria que você comentasse como foi o processo, o que vocês estavam pensando quando gravaram Entre a bênção e o caos.
Gepeto - Em primeiro lugar, muito obrigado! É um disco importantíssimo pra gente, a gente gosta muito, muito inspirado, é um disco que colocu o AD no circuito, abriu muitas portas e é o AD de sempre, sem medo de experimentar, de inovar, tentando trazer música, informação pra galera, com qualidade. Entre a bênção e o caos(EABEOC) é um disco maravilhoso, a gente inclusive recebeu muitos pedidos de Goiânia aí, via comunidade, e-mail, serão atendidos! É um disco que, agora em 2011, teremos um trabalho de reedição da discografia do AD, com certeza teremos uma edição comemorativa do EABEOC.

BLC - Muita gente considera um disco importante, não só no aspecto formal do disco, musical, mas sobretudo pelo trabalho lírico. É um disco que não tem medo de dizer as coisas que diz, as letras são de cunho altamente filosófico, coisa que a gente não via muito no hardcore, coisas completamente fora do clichê. E isso se manteve, se a gente for observar, nas letras do Ação. A gente tem percebido que o Ação tem seguido essa linha filosófica, de aprofundar mesmo esse conteúdo. Essa é a visão de vocês?
Gepeto - Sim, sim. Essa é a maneira que a gente trabalha, a gente gosta de misturar existencialismo, dia a dia, explorar muito o lado do ser humano, suas conquistas, essas coisas todas. Da época do Resistirei pra cá a gente perdeu aquela coisa de palavras de ordem e começou a explorar mais isso[o lado de dentro do ser humano] e também notícias, informações, procurar se informar sobre temas. Como te disse, o disco novo está sendo inspirado em documentários, então vem aí colagens de idéias, tentando passar aí nossa mensagem. Então esse é o jeito que a gente trabalha.

BLC - O buraco da alma tá presente ali. No Massacre Humano também tem muito disso, fica bem evidente. Mudando de assunto, cara, esclarece uma coisa aqui pros fãs do Ação. As várias referências aos Racionais MC's no Massacre Humano soam como uma homenagem. É isso mesmo?
Gepeto - Sim, sem dúvida. Todos da banda somos fãs dos Racionais, a gente curte o trabalho dos caras, entendeu a proposta dos caras, respeitamos e como Massacre Humano é um trabalho conceitual, explorando essa coisa da decadência do ser humano, a gente achou que caberia inserções do Racionais tranquilamente. Acho que a galera acabou compreendendo, o Massacre Humano é um disco que taí na boca da galera, é um disco importante. Com certeza essa homenagem aos Racionais é pra mostrar que a gente não gosta só de rock, punk, hardcore, metal, a gente gosta de hip hop também, música boa em geral.

BLC - Me lembro de escutar o Massacre Humano pela primeira veze de escutar "homem deus" e começar com uma música clássica do Racionais("Negro Drama") e um amigo passar por perto e dizer "porra tá escutando Racionais" e de repente entra aquela desgraceira total! Muito bom isso!
Gepeto - É uma música que não pode faltar nos shows e tá no set list de hoje, inclusive, passando um pouco do Massacre Humano pra galera de Goiânia também. Como eu te disse, quem gosta de Ação Direta hoje aí vai viajar em 23 anos, do Resistirei ao Massacre Humano, nós vamos passar por todos os trabalhos. E uma música inédita do disco novo, "Zeitgeist"...

BLC - Noh, "espírito do tempo"...
Gepeto - "Espírito do tempo", a gente indica o documentário pra galera, Zeitgeist e Zeitgeist addendum e a música é uma música nova, espero que a galera goste. É a cara do Ação Direta novo.

BLC - É isso aí. Bom, aqui foi uma entrevista com o Gepeto, grande figura do hardcore brasileiro, humilde pra caralho, banda excepcional, sem comentários... O Ação Direta, quem conhece, sabe o que a gente está falando. Gepeto, um recado aí pro pessoal que acessa o Blog Licor de Chorume.
Gepeto - Galera do Licor de Chorume, satisfação estar aqui novamente em Goiânia, espero que todos vocês gostem aí do show e aguardem o disco novo, aguardem as reedições. Aquele abraço a todos aí!

* * *

E, mano, se você não foi ao show, posso te assegurar que foi animalesco. O Porkão(A Baba de Mumm-Ra) só disse uma coisa quando acabou o show: "show de home", Bacural olhou pra ele como quem pensa: "tô ao lado do filósofo Monsenhor Porkão". Meu pescoço está escoliado até hoje e nasceu uma verruga no meu joelhodireito, de tão maléfico que foi o show. Pena que demorou demais pra começar e a galera de Goiânia não deu o devido valor a esse clássico do hardcorebrasileiro, pois tinha pouca gente no final. Também, o final parecia o final do mundo. Foi ESCROTO o bagulho!
A maior parte do set foi do Entre a bênção e o caos. Tocaram umas duas ou três do Resistirei, algumas do Revolta, Intervenção e o resto foi Massacre Humano. Senti falta da música tema desse último disco. Agora a música nova, "Zeitgeist", ficou fodaraça. Mistura de hardcore com metalem variações de tempo diferentes. Muito foda.
Que venha o Cólera! Aguardem entrevista!

Vídeo do show realizado no último sábado(23/10)



Entrevista: Guga Valente(Professor e Guitarrista das bandas Ímpeto e Sangue Seco)

Foto: Alex Almeida(Katira XXX)
http://www.flickr.com/photos/katirah/

Se você tem preguiça de ler, tem olho de vidro ou simplismente não gosta de exercer suas duas bilocas, logo abaixo segue o áudio da entrevista na íntegra.

Entrevista - Gepeto(Ação Direta) - Áudio

4 comentários: