ALZHEIMER PODCAST

pra esquecer das coisas ruins, pra lembrar das coisas boas

MARY O AND THE PINK FLAMINGOS

Surf-punk psicodélico do jeito que diabo gosta

PAQUETÁ

O fino do surf music underground

31.1.16

Damn Youth - Skate in Hell (2015)



Rapaz, esses dias conversando no inbox do facebook, um cabra bom me apresentou o som dessa banda que aqui resenho. Ouvi tanto que fiquei com ferida feia nos lábios por conta da fissura pela maravilhosa sonoridade. A banda em questão é conhecida pela graça de Damn Youth, representa o esgoto do underground de Caucaia, região metropolitana de Fortaleza/CE e conta com integrantes que já bailaram/bailam por conjuntos da estirpe de Skate Pirata, Catholic Youth e Agressive. Tirando um thrash/crossover maloca pra desestruturar a ordem da família tradicional, o registro dos cabras conta com 3 cantigas e exploram o submundo sujo do rolê ruêiro do skate. Até aonde eu consegui espiar, esse registro saiu em formato K7 e CD, gravação old-school total e a arte da capa é assinada pelo surreal Fernando JFL (Cätärro/Deus Verme). O subterrâneo agradece a existência de bandas como esta. Ouça sem arrependimento. 

Página da banda: Damn Youth

Superbad - Superbad (2016)



Voltando a escrever nesse podre espaço, dessa vez retorno pra apresentar o maravilhoso som da Superbad, banda lá de Manaus e que tira um crossover/thrash de derramar lágrimas e escorrer pelo pescoço, umedecendo a gola frouxa daquela camiseta de banda surrada e querida que você usa até em entrevista de emprego-de-bosta. Bom, falando do registro, o esquema sonoro é composto por 5 cantigas que rebuscam todas as ótimas referências do estilo citado anteriormente, de DxRxIx à Ratos de Porão, esses manauaras não estão cochilando na rede e vai deixar qualquer gente doida que gosta de usar bandana e meias brancas longas de queixo deslocado pela alta qualidade dos sons. A capa é assinada por Daniel ETE e a masterização/mixagem ficou por conta de Tiago Hospede. Ótima banda e disco foda!

Página da banda: Superbad

ouça e baixe aqui: 

Ilizarov - The First Surgery (2015)



Ilizarov, banda recente da cena podre do centro-oeste, soltou em maio do ano passado o seu primeiro registro intitulado "The First Surgery", uma demo que conta com 4 cantigas que mesclam o death metal da velha escola com o punk cru e sem firulas. Oriunda da querida Formosa/GO, a formação da bandidagem sonora é composta pela trinca Danilo Rocha (vocal, guitarra), Nel Dias (baixo) e Veto (bateria). Os cabras são conhecidos do subterrâneo do cerrado e não andam tendo dó dos instrumentos nem do ouvido alheio, e se ainda tem dúvida, ouça o esquema logo abaixo e não tenha arrependimento. Banda massa!


Página da banda: Ilizarov


La Burca - She Goos to Flowers (2015)


A La Burca já figurou nesse espaço tosco num passado não tão distante e retorna mostrando o EP "She Goos to Flowers", um registro curto contendo 3 músicas, uma prévia do álbum "Kurious Eyes" que deve sair ainda neste ano. O EP segue a mesma linha sonora do trabalho anterior, mesclando o pós punk, punk e o folk (pós-punklore), de uma maneira bastante original e diferente de muita coisa que ambienta o underground. Com participações do duo Post e de Marcos Tamamati do duo Bertran de Born, as faixas mostram a banda (Amanda Rocha nos vocais e violão / Lucas Scb na bateria) mais coesa em suas composições, sendo um dos bons destaques da cena independente do interior paulista. Lançado pelo selo !punklorecords! esse registro é recomendado pra galera que está em busca constante por novidades boas dentro do subterrâneo sonoro. Ouça e espalhe!


Página da banda: La Burca

Ouça e baixe o EP aqui:

20.1.16

Você precisa ouvir o som da Ostra Brains




Não sei que diacho que deu em mim de só conhecer o som da Ostra Brains agora. Sigo o perfil da banda no #insta e por alguma leseira grave deixei passar batido. Mas na segunda, ainda quando estava em Minaçu, norte do estado de Goiás, larapiando internet boa do vizinho, resolvi apertar o pitoco do player do bandcamp do grupo e confesso que fiquei por alguns minutos abismado pela maravilha que eu estava ouvindo e com muita raiva de mim mesmo por desconhecer tal sonoridade. O disco em questão que eu degustei no decorrer
da segunda e dos dias seguintes recebe o título de "Gelato Luv", um epêzinho com 8 cantigas que mesclam as melhores influências do garage punk, riot grrrl, punk rock e lo-fi num áudio-mono que desceu lágrimas. A banda é do Rio de Janeiro/Bahia e é formada por Amanda Hawk (vocal), Fabio Esteves (guitarra), Roger Perez (baixo) e Mario Lewicki (bateria) e este registro que eu relato poderia muito bem ter entrado para a "Listinha Infame das Coisas Legais", mas não entrou, fiquei triste e vida que segue. Mas voltando a falar das músicas, de riffs que causam certa labirintite dançante aos refrões-chicletes, o esquema de ser inglês combina bastante com o estilo de som propagado pelo grupo, tudo remetendo aquela vibe boa do underground de garagem dos anos 80 e começo
de 90. Um pouco de Bikini Kill aqui, Sonic Youth ali, Babes in Toyland acolá, e trazendo pro ambiente mais local possui boas semelhanças com Hang The Superstars ou seja, a miscelânea é da melhor qualidade e digo que vai deixar você eufóricx ao ouvir. A banda ainda lançou um registro ao vivo que dá pra tirar boas conclusões auditivas de como funciona a arquitetura da coisa no ambiente de palco e pessoas. O registro chama-se "Rejected LIVE" e conta com 11 músicas, muito bem captadas e que deixou este que rasura por aqui mais fascinado pela banda, colocando do lado das minhas favoritas The Renegades of Punk, Vida Torta, Gulag e Futuro. Não marca bobeira e ouve logo isso!


Página da banda: Ostra Brains

Ouça e baixe Ostra Brains aqui:




18.1.16

Caccophagia & Deus Verme - Digital Split (2016)


Rapaz, já tinha um tempo que eu queria falar da Deus Verme aqui nesse espaço, mas por algum desvio da memória sempre deixei passar. Mas agora é sem volta, pois a banda acabou de soltar um split digital com a Caccophagia. A Deus Verme vem da quente Mossoró/RN e espalha o grindcore da forma mais crua possível. Formada por Carlos Gugu (vocal), Fernando JFL (guitarra), Willian Borges (baixo) e Tássio Felipe (bateria), os cabras sapecam sem dó em duas ligeiras cantigas nesse registro, anti-música sem restrições e grind-noise pra gente torta como eu não botar defeito. Do outro lado da esfera sonora a Caccophagia completa o esquema com mais duas músicas, grind-noise feito por uma dupla de Fortaleza/CE que adora espalhar o barulho da pior forma, rápida e sem massagem. Não recomendado para ouvidos sensíveis, esse play agrada ao pessoal que venera a velha escola do estilo, aquela coisa ali de ROT, New York Against The Belzebu, Spazz, Agathocles e afins. Ouça e espalhe.

Ouça e baixe o Split aqui:

16.1.16

Conheça a Restös de Fetos, banda formada por uma molecada 666 lá de Amapá






A pergunta é: o que você fazia quando tinha 12/13 anos? Bom, com esta idade eu estava colocando durex na campainha dos vizinhos, passando cerol na linha pra torar a negada do outro bairro e vendo Chaves/Chapolin. Mas a trinca composta por Mateus Moreira (berros),
Alecsandro Vieira (cordas finas) e Ricksander Barbosa (batuques) foram além das barreiras da diversão de rua e compromissos escolares, os cabrinha formaram uma banda em abril de 2015 com o pesado nome de Restös de Fetos.

Representando o subterrâneo de Macapá/AP, a banda espalha o veneno em forma de grindcore/powerviolence/crust e com fortes influências de bandas como Facada, Agathocles, Infest, Napalm Death, Spazz e desgraceiras adjacentes. Novidade das boas que saquei nesse começo de ano e que achei massa de compartilhar com o pessoal que lê essas doidice aqui. 

E pra finalizar, deixo um vídeo com mais de 20 minutos de anti-música, pra você depurar os ouvidos e incentivar as suas crias a caminhar pelo torto.


14.1.16

Motor City Madness, Send More Hate e Institution lançam vídeo clipes



Nesse começo de 2016 a produção visual do cenário independente está fervendo e lubrificando as vistas. E este sítio que não cochila no ponto, apresenta três ótimas películas pra você que é fica garimpando coisas interessantes pelo youtube. 
O primeiro da lista é a excelente produção da maravilhosa banda gaúcha Motor City Madness. Em "Dead City Riot", as referências aos filmes de gang e blaxpoitation dos anos 70 e 80 são nítidas e muito bem conduzidas em pouco mais de 2 minutos de muita treta e corpse paint. Confira o esquema logo abaixo:




Na rabeira dos sulistas chega a película dos doidos da Send More Hate. Num esquema mais tradicional, o clipe mostra a banda em performance, com ótima edição e apresentando as cantigas "Cagar do Céu" e "Punk, Not  Hippie". Paulada boa que pode ser conferida na descida do cursor.



E pra finalizar essas boas sugestões, apresento a ótima película da Institution, hardcore de alta qualidade. O faixa "Venom e Misery", que faz parte do disco "Desolation Times" e ganhou uma excelente versão audiovisual. Confira logo abaixo:








13.1.16

PUNX NOT PROFITS #6 - ZEX (CAN) EM GOIÂNIA



Sexta edição do Punx Not Profits, dessa vez emendando em Goiânia a tour nacional dos canadenses do Zex. A abertura fica a cargo das não menos explosivas Death From Above, Bang Bang Babies e Gerações Perdidas, acréscimos suficientes para uma tarde/noite de muito rock punk, jaquetas de couro, batidas da morte e o protesto nosso de cada dia. 

O local não poderia ser outro que não o Complexo Studio, espaço que abrigou boa parte do que a gente fez ano passado. Fica no Centro (logo ali na praça de concreto ao lado do Parthenon Center), é aconchegante e ainda conta com o abraço apertado do Chita na recepção. Como tem coisas que só o punk faz por você a entrada te custará nada menos que $10, quantia que mal te deixaria pegar três ônibus ou beber duas cervejas de casco em qualquer bar de Goiânia. Preciso dizer que aqui ninguém quer ganhar dinheiro com isso?

Como domingo é dia de chegar cedo em casa, tentaremos começar no horário, o mais próximo possível dele. Contamos com a sua compreensão!
Sobre as bandas:

ZEX (Ottawa, Canadá)

Punk Rock com muito laquê e abafadinhas de new wave of british heavy metal. Mistura explosiva pra te fazer erguer o caneco e cantar os refrões em coro enquanto dança. Último show da tour. Vamos fazer desse o melhor!

Ouça em https://zexzexzex.bandcamp.com/

DEATH FROM ABOVE

Reencarnação fiel dos clássicos do D-Beat feita por bacharéis no assunto. Aficionados por Disclose, Discard e pelos ep's do Discharge, tá tudo aqui.

Ouça em https://deathfromabove.bandcamp.com/

BANG BANG BABIES

A (con)sequência natural dos seminais Hang The Superstars bebe tanto das clássicas Cramps e Gun Club quanto dos filhotinhos Oblivians e Gories, fora o gingado. Show mais incendiário de Goiânia nas atualidades.

Ouça em https://bangbangbabies.bandcamp.com/

GERAÇÕES PERDIDAS

Hardcore/crust rápido e politizado feito por quem cotidianiza a revolução. Haja Disrupt pra tanto Abuso Sonoro fase Herência. Cheguem cedo!

Ouça em https://geracoesperdidas.bandcamp.com/

Resumindo

PUNX NOT PROFITS #6

Domingo, 14/02/2016, a partir das 15 horas
$10
Local: Complexo Studio (Rua 7, N. 485 - Pça entre Rua 4 e Av. Anhanguera, Centro de Goiânia)


Link do evento: https://www.facebook.com/events/646330922172375/

Show com as bandas

Zex (Ottawa, Canadá)
https://zexzexzex.bandcamp.com/

Death From Above
https://deathfromabove.bandcamp.com/

Bang Bang Babies
https://bangbangbabies.bandcamp.com/

Gerações Perdidas
https://geracoesperdidas.bandcamp.com/


TERRORDOME (POL) - BRAZILIAN JUSTICE TOUR 2016





Em janeiro de 2016 os thrasher poloneses do Terrordome estão vindo ao Brasil pra alguns shows em São Paulo e Minas Gerais.

TERRORDOME toca crossover thrash de forma rápida e furiosa, nas veias dos anos 80. Principais inspirações da banda são: Razor, Nucler Assault, Slayer, Cryptic Slaughter, Dark Angel. Seu som brutal é marcado por solos caóticos, riffs rápidos combinados com vocais agressivos. Com 10 anos de estrada o Terrordome já dividiu palco com grandes nomes como: Anthrax, D.R.I., Suicidal Angels, Accuser, Hobbs’ Angel of Death, Ramming Speed, Ratos de Porão, Uganga, Chaos Synopsis e muito mais...

A banda acabou de lançar um vídeo para a faixa “Back to the ‘80s”, que vem de seu segundo full-lenght “Machete Justice”, lançado em 2015 pela gravadora Defense Records. Assista no link abaixo:






Brazilian Justice tour:

14.01.16               - São Paulo @ Centro Cultural Zapata
15.01.16               - Jandira @ Caveira Velha Rock Bar (Demolition Fest IX)
16.01.16               - Cambuí @ CPB Rock Bar (Thrash Metal Fest)
17.01.16               - TBA                  
21.01.16               - Carapicuiba @ Simple Pub
22.01.16               - Bertioga @ Porto do Forte (Férias Rock II)
23.01.16               - Arujá @ Gereba's Rock Bar
24.01.16               - São José dos Campos @ Hocus Pocus
28.01.16               - Sorocaba @ Asteroid (No Life Til’ Thrash)
29.01.16               - Araguari @ Vitrola Ambiente Cultural (Pegando Fogo VII)
30.01.16               - Uberlândia @ festa particular (apenas convidados)
31.01.16               - Uberaba @ Let's Rock Festival II


12.1.16

Motim Records - Volume 2 (2015)




Retornando as atividades anormais em 2016, este sítio inicia-se o alastramento da podreira sonora oriunda do subterrâneo com o segundo volume da coletânea da Motim Records.  A Motim é um selo/distro de Valinhos/SP e que já soltou material de bandas como Labataria e Meivorts. Em dezembro passado foi lançada a segunda coletânea do selo e que conta com um bom time de bandas, que passa por Lomba Raivosa, Labataria, Zander, Muzzarelas, Hurry Up, Diploma, CHCL, BBGG, Golfo de Vizcaya, Box47, No Time, Fast Falling, Francisco, El Hombre e La Makina, totalizando 14 faixas. Vale lembrar que o esquema foi lançado em formato físico (compact disc-CD) e teve o apoio do Nada Pop, Sailor Skateboards e Tape Studios. A capa maravilhosa é do cabra-bom conhecido pela graça de Daniel ETE, e se você é uma pessoa curiosa e que gosta de conhecer novidades do underground, essa é uma ótima oportunidade de ampliar o seu hd-de-cérebro com boas bandas do cenário nacional. E pra finalizar, é sempre bom lembrar que consumir material independente é a melhor maneira de fortalecer todo esse mercado, portanto, sempre que possível mostre para suas amizades, entre em contato com selos/distros, presenteie pessoas queridas com materiais independentes como este, e assim o subterrâneo irá resistir sempre à sua maneira.


Ouça e baixe a coletânea aqui: