ALZHEIMER PODCAST

pra esquecer das coisas ruins, pra lembrar das coisas boas

MARY O AND THE PINK FLAMINGOS

Surf-punk psicodélico do jeito que diabo gosta

PAQUETÁ

O fino do surf music underground

29.9.14

Ratos de Porão (SP) no lançamento do Goiânia Noise Festival 20 anos



Heineken Monstro Rocks apresenta:
Lançamento do Goiânia Noise Festival - 20 Anos!

Com Ratos de Porão!

E ainda: Kamura + Boca Seca + Overfuzz + DDO + The Galo Power + Mad Matters + Coletivo Sui Generis + Atomic Winter + Baba de Sheeva

Discotecagem em vinil com Daniel de Mello

Pista de skate da Skatin'go Skate!!

Local: Centro de Convenções (Goiânia)
Data: 04/10 (Sábado)
Horário: 15 horas

Ingressos:
Antecipados: R$ 10,00
Pontos de venda: Hocus Pocus, Calango (Flamboyant, Buriti e Goiânia Shopping), Tribo Restaurante e Detroit Steakhouse (Alto da Gloria)

Na bilheteria: R$ 20,00

Mulheres e skatistas (com skate na mão) não pagam até 20 horas!!


Link do evento: https://www.facebook.com/events/1536105619941248/

25.9.14

Resto Imundo - S/T (2014)


Bom dia negada doida que gosta de estragar as vistas lendo estas blasfêmias postadas aqui. Hoje é dia de agressividade extrema e sem massagem, grindcore/powerviolence aos moldes antigos feito pela Resto Imundo, banda nova da cena podre-sonora de São Paulo. Composta por Ge Vulgor (voz), Anderson Buiu (guitarra) e Bruno Duracell 666 (bateria e voz), a banda lançou no mês do cachorro louco (agosto) o seu primeiro trampo na maldita rede. O disco conta com 12 cantigas, todas no esquema fast-furioso que estraga o depurador suave e aprimora o ouvidor danificado. As músicas mal passam de 1 minuto, com letras cruas e diretas que criticam a sociedade conservadora em geral, religiões, discurso falso e o horror deste mundo falido. Destaque para as suaves melodias de "Resto Imundo", "Próxima Vítima", "Interatividade", "Queime as Igrejas", "Represália Afronta" e "Submundo do Horror". Essa maravilha da sujeira sonora foi gravada, mixada e masterizada no Estúdio La Migra, pelo raparigo entendedor do assunto Alex Purulento, portanto a parada é suja, agressiva, subversiva, fora dos padrões e faz boas referencias à velha escola do estilo. Grindviolence da melhor qualidade pra lascar com os bons costumes e reputação de gente medíocre. Ouça!

Página: Resto Imundo

Ouça o disco da Resto Imundo aqui:

Baixe o disco aqui:

23.9.14

Luta Civil - Mentiras e Piadas (2014)



Luta Civil é uma banda de punk rock / hardcore oriunda de São Paulo e que está na ativa desde 2011, muito influenciados pelo punk 77, Ramones, Inocentes, Replicantes, Mercenárias, 365 e demais sonoridades do gênero. Composta por Leo Moraes (vocal e guitarra), Maurício Martins (vocal e baixo) e Eduardo Coes (bateria), a banda soltou neste ano o seu primeiro registro oficial, o disco "Mentiras e Piadas", disco esse que conta com 11 cantigas, que exploram o punk de forma simples, direta e sincera. Destaque para as músicas "Eu Quero (Trilha Sonora Rock n' Roll)", "Mentiras e Piadas", "Mosh", "Inaceitável", "Notícias do Fim Novamente", "Lixo Humano" (a melhor em minha tosca opinião) e "País dos Miseráveis". As letras são engajadas e não deixam de lado os problemas sociais que afetam o cotidianos de milhões de esquecidxs, a sonoridade é clássica e característica, cheia de ira e revolta, boa pra pogar e manter a chama do verdadeiro punk acesa.
O disco foi gravado no Estudio Subway por Anderson Lima e mixado no Estúdio Costella pelo capa de gaita Chuck Hipolitho, essa atenção na produção reflete na belíssima qualidade da gravação. A linda capa leva a assinatura do raparigo Erick Alves e a bolachita é um lançamento da Nada Pop Records, tudo no esquema faça-você-mesmx, com o verdadeiro espírito underground cravado na sola do all star podrão. 

Obs.: Agradeço ao pessoal da banda pela cortesia do disco e digo aqui que esse registro trouxe uma boa nostalgia punk para este que aqui rasura.


Página da banda: Luta Civil

Ouça o disco "Mentiras e Piadas" aqui:

Baixe o disco aqui:

17.9.14

Phrenesy - The Power Comes From The Beer (2014)


Nessa quentura seca que anda sapecando os couros da galera do centro deste país, nada melhor do que rasurar sobre uma banda representante do Centro-Oeste e que ama falar de cerveja. Bom, a banda em questão é conhecida pela graça de Phreney, é oriunda de Taguatinga-DF, faz uma mescla nervosa de Thrash Metal/Crossover/Death Metal, está na ativa desde os perdidos de 2003 e sua formação atual é composta pelos bons cabras Wendel Aires (vocal), Tiago Teobaldo (guitarra), Jabah Reivax (guitarra), Ronny Lobato (baixo) e Jôsefer Ayres (bateria).
Neste ano a banda lançou o seu primeiro Full Album, intitulado "The Power Comes From The Beer", disco esse confeccionado de maneira independente e que conta com 10 furiosas cantigas. Quando peguei este registro em mãos, logo de cara a arte de capa me impressionou muito pelo teor de humor e das homenagens que fazem referências ao Motorhead, Dead Kennedys, Terror Revolucionário, D.F.C, D.R.I. e tem até o lendário Marcelo Podrera (raparigo-dinossauro bem conhecido da cena do DF/GO) pogando na galera ao fundo, portanto a apresentação inicial deixou este que aqui judia da gramática com uma ansiedade aflorada para ouvir o redondo com o furo no meio.
Ao ouvir o disco, a cada música a impressão e a admiração pelo trabalho destes candangos  aumentava, pois já tinha tido a oportunidade de ver uma ou outra apresentação da banda e não tinha dado a real importância para o som. Redimindo desta grave falha pessoal, venho dizer que este registro é uma das boas maravilhas lançadas dentro do cenário do Thrash Metal nacional e mundial.
A bolachita abre de maneira brilhante com "Dirty Game", cantiga que já mostra todo o poder da banda, através de uma introdução bem old 80's e uma pegada blast bleast de tirar o folego da pessoa que ouve, aliás, essa agressividade ecoa por todo o conjunto da obra. "Destroyed" é caracterizada por riffs "quebrados", dando uma cadenciada meio-galopada-de-cavalo que a grande maioria dos headbangers amam, pois o estilo da cantiga possibilita um intenso sacolejo dos cabelos e tronco servical. A sequência "Exploding In Rage/F.U.C.K" é destacada por solos incríveis e uma bateria que até agora eu tô abismado com tamanha velocidade e técnica, além de um vocal muito forte e nervoso, recomendo um bom capacete de obra civil pra proteger bem deste artefato sonoro e não sair com escoriações pelo corpo. Uma de minhas favoritas deste disco é a cantiga que dá o título a bolachita, "The Power Comes From The Beer" que mostra a autenticidade da banda em fazer referência a velha escola sem perder as próprias características, com riffs, vocais e solos muito bem trabalhados. Outra boa sequência agressiva pode ser conferida nas cantigas "Never Forget The Beer Of Your/A Song Of Truth", crueldade sonora sem limites, boa pra pogar com um carote de catuaba em mãos. Outro bom destaque vai para a música
"Fuck You With Your Lies", com uma bateria-britadeira de tremer o queixo, e vou citar mais uma vez (pra ser enjoado mesmo) que este vocal é uma das maravilhas podres que descobri este ano, vale citar que as cordas grossas dessa música me deixou bem impressionado também. "This Is Extreme" é a cantiga que mais aproxima-se do death antigão (aquele malzão, espírito ruim, que deixa o cabra corcunda), e não é atoa que que o título remete ao extremo, pois é bem isso que se ouve, sonoridade extrema e sem limites. A derradeira do disco é a única em português e chama-se "Contra Tudo, Contra Todos" e é uma resposta aos pessimistas de plantão que só sabem atrasar lado, ótima música que encerra de forma brilhante este fudido registro.
A excelente concepção gráfica do disco leva a assinatura de Ygor Moares (Scania), outro destaque forte deste belo trabalho, além da ótima qualidade da gravação e das participações especiais de integrantes de bandas como: Device, Dependência Pulmonar, Scania e Dynahead. Este aqui é um dos ótimos lançamentos deste ano dentro do cenário do thrash metal nacional e mundial, disco muito bem produzido e sincero. É sempre uma honra receber um disco dessa envergadura, agradeço ao pessoal da banda pela cortesia, agradeço também pela grata oportunidade de ter um lindo trabalho independente em mãos. pois sei da correria e das dificuldades de colocar um trampo desse nas ruas, portanto, se você gosta de thrash metal de qualidade e original, gosta de beber, não tem frescura e é livre de rótulos, este disco deve fazer parte de sua coleção sebosa de discos, pois o esquema tá fino e raro. Fiquei impressionado com este trabalho, parabéns aos envolvidos, este subterrâneo agradece sempre!

Página da banda: Phrenesy


Ouça e baixe o disco aqui:

15.9.14

Licor de Chorume no Festival Vaca Amarela

Neste final de semana que morreu aconteceu a décima terceira edição do Festival Vaca Amarela, aqui em Goiânia, no clube jaó, recinto este que reúne a nata da carniça elitista dessa cidade e que serve de espaço para eventos culturais que acontecem por aqui. O festival já é tradicional no cenário alternativo-hype goianiense, e este ano coincidiu de chocar a data com o Villa Mix, daí a minha impossibilidade de poder ver mais um show de Mirosmar & Emival e cair vomitado de cana pelas redondezas do Serra Dourada. Nesta edição do Vaca, algumas atrações me atraíram, como a escalação da Céu, Entre os Dentes, Haikaiss e Passarinhos do Cerrado, e como eu estava despreparado financeiramente pra poder colar em todos os dias, tive que recorrer ao suborno e através de um engradado de catuaba da raça adquirida pela metade do preço de mercado na quebrada da Lobó, consegui descolar uma pulseira vip e o final de semana começava a ser rasurado.

Chegando no local do crime, entrei pelas portas do fundo e evitei uma fila quilométrica e seguranças colocando suas mãos em minhas partes pra ver se tinha tóxico ou algo do tipo. De cara já fui fazendo amizade com a peãozada boa que ralava pra descolar um troco extra, e ao ter o primeiro contato com a estrutura me impressionei com as diversas opções de ambientes para o público, mas logo pensei que aquilo era o óbvio e o minimo para um fest que recebe a ajuda de lei de incentivo. Reparei que no canto esquerdo rolava um camarote e que a minha condição permitia acesso livre ao espaço. Bingo. Entrei e vi que tinha diversos tipos de bebidas do maligno, então comecei a consumir, isso eu fiz ao longo dos três dias, num ambiente de muita poses e caras, playboyzada dando chilique pra sair com bebida ou entrar sem permissão, patrícias reclamando do meu odor de bosta seca que se espalhava pelo local, tudo muito engraçado e divertido para um tosco raparigo como eu, acostumado a ir em cabaré de periferia e beber glacial na pindureta. Tive a oportunidade de conhecer os bastidores de camarins e backstage do fest, com algumas figuras ditas importantes desta cena mais abonada fazendo cara de cu com hemorroida para o meu lado. Eu gostei, pois o diferente seria nulo e frustrante pra mim. Topei com o mestre Di Melo e o papo foi dos melhores, o tio é malandrão e figuraça, queria beijar todas as mulheres e demonstrava simpatia e humildade com todos, diferente do Criolo, este mesmo que na época em que era conhecido como Criolo Doido e veio aqui em Goiânia agiu com muito mais humildade e acessibilidade. Talvez a fama bagunçou a cabeça do cara e alguém nesta recente trajetória de sucesso midiático o fez acreditar que ele era o novo messias vindo do rap. Avacalhei com o banheiro do camarim, filei uns rango e bebida boa, sempre levando o segurança no papo. O maluco de dread que faz parte do Haikaiss, perdeu a van e teve que ir de carona na condução do Di Melo. O príncipe 4:20 desta nova geração tentou por tudo arrastar mil meninas pra dentro da van, chegando ao ponto da mulher do Imorrível pagar um sapo pela folgadisse do cabra, história hilária. E a noite do Haikaiss foi mais ou menos essa, mil mulheres e mil maconhas infinitas.

No âmbito dos shows, aquela banda daqui que toca folk me fez querer sair do fest e desejar estar no Som da Terra, dancei com as gay no show da banda Uó e muita gente bulinou a minha bilola e minhas nádegas, o Boogarins me impressionou mais uma vez e finalmente eu tive a chance de adquirir o disco "As Plantas que Curam", um dos melhores que já ouvi nesta recente caminhada torta. A Céu fez um show competente e dentro do que eu esperava. No sábado o Passarinhos do Cerrado deixou o ambiente bem maculelezado e eu me senti um cientista social filiado ao partido verde com as unhas do pés cheias de terra vermelha, e o show foi lindo e arrepiante. O mestre Di Melo foi impecável e emocionou este que aqui rabisca, acompanhado da incrível banda Dom Casamata, mesclando músicas novas e de seu álbum clássico. A noite de sábado terminou com um show razoável da Flora Matos. No domingo, não consegui pegar a apresentação do Entre os Dentes, então fui pra sacar de qual que era dos doidos do Haikaiss e a apresentação dos moleques foi de responsa e com uma galera fiel cantando todas as músicas. O show do Criolo, que eu achei que fosse de banda e não foi (erro grave da produção em não divulgar este fato ao público), foi bem foda, com o cara tocando muita música antiga, dando espaço pra Flora Matos e Haikaiss. Mas o melhor do final da noite foi a participação do gente fina Ivo Mamona, mandando um som com muita humildade. 
Ao final da jornada o que posso concluir disso tudo é que foi legal conhecer os bastidores e a certeza que fica é que jamais vou querer ou desejar este dito independente, pois enoja e afasta. Obrigada.


Obs.: se tiver erro de digitação e concordância, foda-se.

9.9.14

Insetu's Fest 13 Anos - OLHO SECO (SP) - 19/09 - Martim Cererê (Goiânia)


Insetu's Produções apresenta: 

INSETU'S FEST - 13 ANOS

Com as Bandas: 

OLHO SECO (SP)
S.O.S CHAOS (SP)
TERROR REVOLUCIONÁRIO (DF)
ÍMPETO
TIREI ZERO
LOBINHO E 3 PORCÃO
GERAÇÕES PERDIDAS

FLASHOVER (DF)
SECONDS OF NOISE (DF)
ARMUM
SUTTURA
DIABO VELHO
DESCARGA NEGATIVA
TARJA PRETA

2 palcos,cerveja gelada e muito barulho.

Data: 19 de Setembro (Sexta-Feira)

Local: Centro Cultural Martim Cererê - Rua 94 A, Setor Sul - Goiânia
Horário: 19 Horas
Valor : R$ 20,00 (Antecipado na Hocus Pocus)

Link do evento: https://www.facebook.com/events/505079162969712

Olho Seco em Goiânia no ano de 2011 nos 10 anos da Insetu's




8.9.14

The Renegades of Punk - Espelho Negro - EP 7'' (2014)


Bom, penso eu que esta banda dispensa demais apresentações para aqueles que já possuem o hábito tosco da convivência dentro deste subterrâneo sonoro, mesmo assim farei uma descrição básica para xs que vivem aérexs e permeiam esta esfera virtual dentro deste pedaço de terra. The Renegades of Punk é uma banda-power-trio de Aracaju-SE composta por Daniela Rodrigues (vocal e cordas finas), João Mário (vocal e cordas grossas) e Ivo Delmondes (bateria), estão na ativa desde os perdidos de 2007, espalham o Tropical Punk por todas as vias sonoras clandestinas possíveis e este que aqui rasura detém de um enorme apreço por este bom garimpo do underground "lado b" nacional. 
Neste final de semana que passou-se tive a grata oportunidade de pegar o mais recente trabalho da banda com o mestre Pícaro (Raw Recs), o EP "Espelho Negro", lançado pela No Gods No Masters em Junho deste ano e que deu um suporte para a turnê européia que a banda fez no respectivo mês citado. Pois bem, com a bolachita em mãos, coloquei esta proeza pra rodar na vitrola rosa assim que cheguei no escritório da empreza, e de lá este belo registro não saiu mais do rodador, queridxs amadxs. A gravação meio reverb já me ganhou logo de início, fugindo um pouco das músicas do "Coração Metrônomo" e aproximando bem das cantigas da fitinha k7 "Nuvem Passageira", tirando bons sorrisos de minha face indígena e aflorando a boa ansiedade que existe neste raparigo inquieto. A bolachita conta com 4 músicas que falam basicamente da vida falsa, das agonias do cotidiano e dos conflitos internos que tanto nos afligem, numa sonoridade melodicamente apaixonante. Todas as cantigas merecem  um bom destaque, mas através de meu gosto pessoal recomendo uma melhor atenção para as músicas "Alzheimer", "Púrpura" e "Espelho Negro", esta derradeira possui uma das melhores letras que já tive contato. A bela arte de capa e encarte leva o rabisco da incrível Mariana Moysés, e vai por mim, o esquema tá finéze até umas horas. No bandcamp da banda você consegue ouvir duas cantigas, mas a minha tosca e inútil recomendação é de que todxs aquelxs que gostam do som sincero e bem feito possam adquirir uma cópia deste disquêto e ajudar a propagar o som desta banda, que humildemente considero a melhor deste subterrâneo sonoro. E sabe qual é parte ruim deste registro? É que são poucas cantigas e o forró de cego acaba logo. Discásso, e toda as vezes que eu desanimo com este submundo, bandas como esta e discos como este me provam que ainda é possível roer o pequi sem deixar espinhos na língua. 

Página da banda: The Renegades of Punk

Ouça duas cantigas do EP "Espelho Negro" aqui:

Siga o blog no instagram: http://instagram.com/licordechorume / @licordechorume
Conheça o nosso tumblr: http://licordechorume.tumblr.com/
Ouça e baixe a primeira coletânea do blog: https://licordechorume.bandcamp.com

4.9.14

Indo Pro Buraco do Inferno - 05/09 - DCE-UFG (Goiânia)


Com muita pinga na cabeça e falta de juízo, a Confraria dos Vagabundos apresenta:

INDO PRO BURACO DO INFERNO!

Dia 05/09/2014 (sexta-feira)
À partir das 20:00hs
Local: DCE-UFG
Entrada: R$ 7,00 antes das 21:00 / R$ 10,00 após às 21:00

Link do evento: https://www.facebook.com/events/842377592446922/

Shows:
21:00 Delirium Tremens
21:45 Sanguinea
22:30 Corja
23:15 Baba de Sheeva
0:00 Murder
0:45 Diabo Velho

1:30 Mata Burro (TO)

Discotecagem (antes e depois dos shows)

Tainá (80´s)
Fernandorja (Garage, Post Punk,Lado B)
Incendiário (Rock, Retrô, Post Punk)


Por incrível que pareça, os shows começarão PONTUALMENTE! Viaja não! Cheguem na hora.

Pizza, Comida Vegana, Cerveja, Cantina das Trevas e muito Rock and Roll!!!

3.9.14

Chacal - Espora (2014)



Chacal é uma das boas bandas que representam a ótima cena underground do Vale do Paraíba-SP. Formada por Gustavo Magalhães (vocal e guitarra), Diego Xavier (vocal e guitarra), Diego Esteves (vocal e baixo) e Éder Penha (bateria), o quarteto lançou recentemente o seu primeiro álbum, que recebe o título de "Espora" e sucede 3 ep's, demos e k7's.
O disco é cheio e conta com 10 cantigas, com fortes influências do hardcore noventista, grunge, punk e o post-hardcore. As letras são todas em português e basicamente falam de conflitos internos e do cotidiano diário. As músicas que mais agradaram aos meus ouvidos foram: "Cada Vez Mais", "Faça Você Mesmo", "Caído", "Beirando os 30", "Falso Real", "Protestante" e "Nós" ( a melhor em minha tosca opinião). A sonoridade forte e intensa dos vocais, juntamente com guitarras destacadas, baixo pesadão e bateria bem encaixada dão um maior destaque e requinte ao som deste ótimo registro. 
Gravado por Diego Xavier no Estúdio Wasabi, a bolachita foi mixada e masterizada pelo mestre Cassio Zambotto, e aqui vai todo o meu elogio para a parte da produção, pois as músicas estão com uma sonoridade impecável, refinando de forma agradável a audição do ouvidor alheio. O disco é um lançamento conjunto da Bigorna Discos, A Arca do Hardcore e Together Records e está disponível nos formatos cd e k7. Pra quem é simpatizante de hardcore melódico da velha escola, de boas misturas sonoras e de novidades, este registro é uma ótima pedida. Forte e sincero, do jeito que a gente gosta, este aqui é um dos bons lançamentos deste ano dentro deste underground que vivemos e adoramos. Ouça, compre, roube, espalhe. Ótima banda!

Página da banda: Chacal

Ouça o disco "Espora" aqui:

Baixe o disco aqui: